Um tiro no pé do ateísmo

Hoje vi este post do Consciencia.blog.br no Bule Voador, e achei bastante interessante. Explora de forma mais genérica um ponto que eu tinha comentado neste outro post aqui há alguns meses atrás: a forma como a agressividade da militância ateísta prejudica a própria luta pela liberdade religiosa. Muito já foi dito nesse post, gostaria de fazer este aqui mais para complementar o assunto mesmo e trazer minhas impressões.

Como já foi dito, vem crescendo dentro dos movimentos ateístas a provocação gratuita aos religiosos, que contribui em nada para um ambiente mais pacífico e tolerante, pelo contrário, pode fazer as pessoas terem mais raiva dos ateus por os considerarem intolerantes, implicantes, arrogantes, donos da verdade. E infelizmente não podemos nos defender com a posição (coberta de razão, diga-se de passagem) de que você não pode julgar uma pessoa pelas atitudes do grupo onde ela está inserida. O problema é que esse tipo de julgamento, justamente aquele que por definição se chama PRECONCEITO e é justamente o que procuramos combater, não é uma postura racional; logo, não podemos cobrar tão facilmente a postura racional de julgar um indivíduo pelas suas ações e não pelas ações de seus “semelhantes”. Reforço: essa demanda está COBERTA DE RAZÃO, e julgar uma pessoa pelo seu grupo continua TOTALMENTE ERRADO!!!

E mais: concordo com uma opinião que já ouvi, de que um dos focos da luta contra o preconceito deveria ser combater a própria ideia de preconceito, de julgar pessoas pela sua “categoria”, que criticar atitudes negativas do seu grupo seria, de uma certa forma, combater o sintoma e não a doença. Mas não podemos ser tão puristas e idealistas assim: é preciso ter uma visão mais pragmática e estratégica. Enquanto uns continuam se divertindo ridicularizando as religiões e seus praticantes, outros continuarão sendo julgados por tabela e pagando o pato.

 

Mas é mais grave ainda: algumas das críticas feitas às religiões são falaciosas, e até mesmo MENTIROSAS. Oras, algumas das maiores críticas às religiões não são a desinformação, a manipulação, a desonestidade intelectual de seus apologistas? Aderir à mesma postura deplorável é tornar-se tão ruim quanto eles, ou até pior, e para isso não há desculpas: comportamentos assim devem ser duramente criticados a todo momento. Esta série de posts do Consciencia.blog.br procura desmascarar a desinformação passada em certas campanhas ateístas. Não li tudo, mas gostei do que vi.

Certas críticas, embora possam ser consideradas meias verdades, contêm um mesmo erro grave: consideram que todas as religiões são como as abraâmicas, que todas motivam guerras, repressão, racismo, sexismo e outros males bastante presentes nas religiões citadas (e há de se convir que mesmo não praticados pelos seus adeptos atualmente, e as vezes nem mesmo pelos próprios líderes, foram endossados ao longo de suas histórias e muitas vezes continuam presentes em seus textos sagrados, apesar de todo o malabarismo intelectual de seus seguidores mais moderados para esconder isso).

Nunca vimos guerras religiosas sendo causadas por espíritas, taoistas, animistas, sikhs ou umbandistas, entre outros. E não podemos afirmar que eles só não fizeram isso porque não conseguiram poder para tal enquanto não tivermos evidências de que seus líderes têm vontade de fazer isso um dia: seria uma falácia do declive escorregadio.

Também vemos na história uma tolerância religiosa razoável por parte da Pérsia zoroastra, e desconheço casos de religiões pagãs de alguns povos europeus antigos, como os celtas e os bálticos (da atual Lituânia) vitimando seguidores de outras religiões. Pelo contrário: apenas conheço o fato desses povos terem sofrido perseguição religiosa por parte de romanos e de cristãos. Além disso, existem e existiram religiões onde a mulher não era rebaixada, sendo até mesmo exaltada em alguns casos, como no Egito antigo. Óbvio que isso não isenta essas religiões de outros problemas: grande parte das religiões antigas, genericamente denominadas pagãs, realizavam sacrifícios humanos, e o misticismo de seus cultos deve ter resultado em obscurantismo várias vezes (não posso afirmar, não tenho muito conhecimento sobre a história desses povos).

 

O texto fecha levantando uma hipótese: de que esses ateus na verdade praticam revanchismo. E se isso for verdade (e não duvido que seja), é algo muito grave: significa que esse ciclo não vai mais acabar, que vamos continuar odiando uns aos outros. É isso mesmo que vocês querem? Continuar brigando, ofendendo, atacando gratuitamente, “converter” as pessoas ao ateísmo, mostrar o quanto você deseja que todas as religiões sejam extintas? Porque se o que desejam é respeito, o fim do preconceito, não serem julgados pela sua cosmovisão, esse não é o caminho. E não vejo como uma cruzada anti-religiosa pode dar certo, nem como os males da religião estão imunes de ser substituídos por doutrinas seculares como o ultra-nacionalismo (que não é necessariamente de cunho religioso, muito menos atualmente) ou regimes totalitários como o stalinismo.

Marcado:, , , , , , , , ,

2 pensamentos sobre “Um tiro no pé do ateísmo

  1. Homero maio 22, 2012 às 18:19 Reply

    Olá

    Também tenho acompanhado estes posts, e algumas auto-críticas que tem sido apresentada em relação ao ateísmo mais, digamos, agressivo (que deve mesmo ter uma dose de revanche, afinal, somos humanos também.:-), e acho importante manter a mente aberta a essas questões.

    Um sistema de crítica e auto-crítica é, afinal, a base de nosso sistema científica, e também do pensamento racional.

    O problema, me parece, é que não há forma de juntar um grupo de pessoas, por qualquer motivo que seja, sem arrebanhar no meio alguns, me perdoe a expressão, “cabeças de bagre”.:-) Sempre, seja em uma torcida organizada, seja no grupo de leitura da escola dominical, haverão os dispostos a arrumar encrenca, mais do que a conversar e discutir.

    E ateísmo não é muita coisa, apenas uma conclusão, uma constatação sobre a ausência de evidências de existência de deuses. É mesmo muito pouco para dar identidade a qualquer grupo, e pode incluir desde pessoas razoáveis, dispostas a entender o outro lado, a pessoas ressentidas, revoltadas, ou francamente agressivas.

    Eu sempre penso, por isso tudo, que o foco deveria ser sempre o humanismo, ainda que secular em sua base, pois isso afastaria os mais revoltados, mesmo que ateus, e ainda atrairia religiosos mais liberais, compreensivos, tolerantes.

    Toda luta, me parece, deveria focar nesse humanismo, mais que no ateísmo propriamente, que é algo mais pessoal, e limitado.

    Em tempo, eu sou dos que consideram a religião uma causadora de grande dano, mas entendo que religiosos, as pessoas que professam uma fé, podem ser excelentes pessoas apesar de tudo. E devem ser respeitadas sempre.

    Um abraço.

    Homero Ottoni

    • Tomás Machado maio 22, 2012 às 19:20 Reply

      Excelente comentário, Homero. Muito obrigado! Pegou um ponto que eu não falei ainda neste post e não dediquei um para isso, mas que pode ser o próximo: ateísmo deveria ser consequência, e não causa. Lutar puramente pelo ateísmo é uma causa vazia, fácil de interpretar como “pregar ateísmo” (e muitas vezes não passa disso mesmo), seria mais interessante lutar pela liberdade religiosa, pelo secularismo, Estado laico.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: