Arquivo da categoria: Economia Política

Passe Livre: utopia?

Estava pensando no que escrever sobre os protestos que estão acontecendo recentemente, eis que vejo um vídeo muito bom de um amigo que aborda um ponto que não tinha pensado direito: e o passe livre em si? Quais seriam os impactos? Ele já levantou boa parte dos pontos, mas gostaria de aprofundar com os conhecimentos que já tenho (e que expus brevemente na minha série sobre “verdades econômicas”).

20 centavos é bastante

O exemplo do Rafael foi bem interessante para ilustrar como o aumento nas passagens se propaga em termos macroeconômicos (só não foi perfeito porque provavelmente a travesti se refere como “ela” e tem um nome feminino, mas isso não vem ao caso). Vamos nos aprofundar no mesmo e explicar em termos de salários e lucros agregados, como fiz no primeiro texto da série.

Mencionei que o aumento agregado dos salários aumenta os lucros dos produtores de bens de consumo e aumenta a demanda efetiva da economia, levando a um aumento generalizado de produção no longo prazo. É bastante razoável pensar que a recíproca é verdadeira: quando se eleva a taxa de lucro e diminui a participação dos salários na economia, temos uma retração da demanda efetiva e, no longo prazo, da produção. E como diz um dos gritos de ordem das manifestações: “ô motorista, ô cobrador, me diz se o seu salário aumentou?”. Como se trata de um serviço essencial a uma parcela muito grande da população, as pessoas continuarão pagando mesmo com os aumentos (i.e. a passagem de ônibus é altamente inelástica). Isso significa que a demanda efetiva será reduzida para todos os trabalhadores que utilizam o transporte público e haverá uma retração geral na economia.

Se fosse o caso dessa receita adicional ser revertida em expansão da frota, os produtores de bens de ônibus seriam estimulados a aumentar sua produção e haveria maior contratação da empresa de transportes, mas também não é o que observamos. Assim, tudo indica que o cenário apresentado no vídeo se confirma.

Gastos públicos: 1+1>2

Podemos perceber que o gasto com salários gera no longo prazo retornos maiores que os gastos feitos pelos empresários no momento inicial. Uma economia não é um sistema de soma zero. Mas será que o mesmo pode ser dito para os gastos públicos? Ao que tudo indica, sim.

Começamos com uma observação bastante óbvia: quando o governo contrata bens e serviços, eleva a demanda e aquece a economia como um todo. Isso permite que o produto da economia aumente e o montante arrecadado no futuro seja maior, permitindo sustentar o déficit público ou oferecer serviços de maior qualidade ao público. Assim, os gastos públicos estimulam a produção e permitem maiores massas de lucro.

Quando esses gastos são direcionados para serviços públicos, aparece outro efeito interessante: a população mais pobre pode desfrutar de serviços normalmente inacessíveis e elevar seu padrão de vida. Além de aumentar o bem-estar social, isso permite mais oportunidades para essa classe social e aumenta a produtividade dos trabalhadores como um todo. Isso sem dúvidas eleva a produtividade e a competitividade de uma economia, trazendo benefícios globais ao sistema. E quando se fala de transporte, temos questões bastante específicas que tornam o assunto mais complexo.

O trânsito causa enormes prejuízos. Segundo relatório da ONU, São Paulo enfrenta perdas bilionárias com o trânsito e tem como um de seus maiores desafios para os próximos anos a solução dos problemas de mobilidade urbana. São levados em conta fatores diversos, como o desperdício de tempo (que eleva o custo da mão de obra e do frete) e de combustível, e os impactos da poluição. No caso de São Paulo o trânsito é um gargalo para a economia nacional, visto que uma parcela significativa do PIB nacional e a esmagadora maioria das sedes de empresas no país concentram-se nessa cidade.

Este estudo também demonstra que as grandes obras de tráfego, como pontes, túneis e alargamentos de vias, foram pouco eficientes em resolver os congestionamentos. O problema está principalmente no tamanho da frota de veículos particulares (e esse problema se repete em muitas outras cidades). Isso acontece porque não existe uma estrutura adequada de transporte público. As opções apresentadas não contemplam as necessidades dos usuários (e.g. linhas de ônibus mal planejadas, onde se percorre uma distância muito grande para atravessar o que seria próximo de carro), são caras e de baixa qualidade, e assim o transporte público não supera a comodidade e a privacidade do carro particular.

A tão famosa imagem comparando o espaço gasto por carros, ônibus e bicicletas para transportar o mesmo número de pessoas

A tão famosa imagem comparando o espaço gasto por carros, ônibus e bicicletas para transportar o mesmo número de pessoas

Com a população em expansão, é inviável (ou até mesmo impossível) oferecer espaço para toda a população usar carro. E iniciativas como incentivar a carona não têm o impacto necessário, são meramente paliativas, além de ser invasivas em alguns contextos. Apenas o transporte coletivo pode de fato solucionar esse problema. Reduzindo em 30, 40 vezes o espaço ocupado nas ruas por carros, os benefícios seriam imensos. Menos tempo gasto no trânsito, redução do stress, maior qualidade de vida (i.e. menores gastos com saúde, tanto por stress quanto por acidentes de trânsito), custos de frete mais baixos. Reduzindo o desperdício do sistema como um todo, esse excedente resultaria em maiores montantes arrecadados em impostos, maiores lucros para as empresas e possivelmente maiores salários.

E como fica o Passe Livre? Se o transporte público for gratuito, isso seria uma vantagem imensa para o mesmo e poderia desencorajar as pessoas a usarem seus carros. Se isso for verdade, uma passagem subsidiada, ou mesmo gratuita, é um investimento do governo com claras perspectivas de retorno. Retorno este que pode tornar viável o que parece utopia.

Discutindo algumas “verdades” sobre economia II

Fiz um primeiro post sobre o assunto há mais de um mês e nesse meio tempo juntei mais conceitos repetidos pelo senso comum sobre economia. Diferente do anterior, esses dois pontos estão um tanto interligados e são de fato meias verdades. Sem mais delongas:

1 – Oferta e demanda

A Lei da Oferta e Demanda diz que os preços das mercadorias são regulados pelo mercado de acordo com suas quantidades e o número de compradores. Essa situação equilibra os interesses de compradores e vendedores e possibilita uma situação onde o maior número de pessoas está satisfeita ao mesmo tempo e não é possível beneficiar uns sem prejudicar outros (o que é conhecido nas ciências sociais como eficiência de Pareto).

Gráfico típico de oferta e demanda, conhecido na teoria econômica como tesoura marshalliana

Gráfico típico de oferta e demanda, conhecido as vezes na teoria econômica como tesoura marshalliana

Podemos ver no gráfico como funciona o equilíbrio de mercado. O ponto de equilíbrio é, nas dadas condições, eficiente à Pareto: os ofertantes teriam custos maiores para ofertar mais mercadorias, e por isso, colocariam preços maiores, para o qual haveria menos compradores.

Esse princípio parece bastante lógico, mas na verdade representa apenas uma parcela do mercado. Que vem ficando cada vez menor, diga-se de passagem.

A esmagadora maioria dos bens de consumo hoje são industrializados e diferenciados. Isso significa que cada fabricante trás um produto com uma vantagem específica em relação a seus concorrentes, e por isso agrada um certo nicho do mercado. Dessa forma os preços não são regulados pelo mecanismo de oferta e demanda, porque não existe substituição perfeita entre os bens: não é uma questão de apenas procurar a marca mais barata, porque ela pode não agradar ao consumidor em um aspecto específico. Uma boa forma de ilustrar essa questão é a indústria automobilística. Algumas marcas se especializam em potência, outras, em design, conforto, assistência técnica, acessórios…

Assim, a regulação de preços de facto acaba ocorrendo em outro padrão, que originalmente era imaginado para mercados monopolizados. A empresa, e não o mercado, decide os preços baseado no custo. Geralmente é feito um cálculo grosseiro onde o produtor lança uma margem, chamada mark-up, sobre os custos diretos (insumos e salários), que deve cobrir os custos indiretos (alugueis, impostos, manutenção das instalações, depreciação etc) e na maior parte dos casos oferecer uma margem de lucro. Esse preço não é regulado pelo mercado, e sim pelo produtor, e assim desvia completamente da Lei da Oferta e Demanda.

Uma indústria também pode evitar a pressão da demanda sobre os preços, aumentando sua produção a um preço quase constante. Isso acontece porque raramente as empresas trabalham em sua capacidade máxima e possuem uma folga razoável para aumentar sua produção sem elevar os custos em caso de aumento súbito na demanda.

Continuam sujeitos à oferta e demanda os preços de bens do setor primário. De forma geral, não existem diferenças entre fornecedores de trigo, minério de ferro ou alface que justifiquem preços diferenciados. Também não há como aumentar a produção para atender uma mudança súbita na demanda, porque a produção dessas mercadorias é um processo extremamente longo, que em alguns casos chega a um ano. Assim, os preços estão totalmente sujeitos ao mercado.

Dessa forma, podemos verificar que oferta e demanda representam apenas uma parcela específica do mercado, praticamente invisível para o consumidor final.

Existe outro mercado onde muitos decidem aplicar oferta e demanda, esta não é válida e mesmo assim se trata de uma mercadoria não-replicável: o mercado de trabalho. Seguindo esta visão, o aumento dos salários diminuiria a quantidade de postos de trabalho disponíveis, porque os empregadores estariam dispostos a contratar menos. Parece bastante intuitivo, mas como demonstrei no post anterior, a relação entre salários e lucros não é simples como parece.

Mas mesmo pensando em uma escala micro e de forma imediatista, nem sempre os salários têm esse impacto na contratação de mão de obra. Muitas vezes existe uma quantidade mínima de trabalhadores necessária para colocar uma linha de montagem em operação ou para atingir a produção que a empresa deseja em um dado período. Para isso, é bem possível que os empresários incorporem totalmente a elevação salarial e não a repassem nos preços, dependendo da estratégia de mercado adotada. Menos contratação pode significar, por exemplo, incapacidade de atender a demanda e perda de uma fatia de mercado para a concorrência.

Deve-se notar também que salários mais baixos de jeito nenhum implicam em maior contratação. As vagas de trabalho são escassas, não existe uma necessidade ilimitada de expandi-las e em muitos casos contratações adicionais reduzem a produtividade a menos que sejam ampliadas as instalações, o que envolve uma decisão muito mais delicada.

Uma boa ilustração desse fato é a Grande Depressão. Era comum no mainstream econômico atribuir o desemprego em massa à força dos sindicatos, que impunham salários muito altos, reduziam a contratação e geravam o próprio desemprego. Economistas heterodoxos da época, como Keynes, puderam contrariar tal atribuição com uma evidência simples mas contundente: bastava sair às ruas para ver que as pessoas aceitavam qualquer coisa para ter um emprego.

"Conheço 3 ofícios, falo 3 línguas, combati por 3 anos, tenho 3 filhos e nenhum emprego há 3 meses. Eu só quero um trabalho."

“Conheço 3 ofícios, falo 3 línguas, combati por 3 anos, tenho 3 filhos e nenhum emprego há 3 meses. Eu só quero um trabalho.” – Desempregado durante a Grande Depressão

2 – Quanto mais concorrência, melhor

Assume-se genericamente que a concorrência permite um mercado mais eficiente, oferecendo produtos melhores a preços mais baixos. Quando pensamos nessa concorrência, temos uma noção que se aproxima do conceito de concorrência perfeita da Teoria Neoclássica.

Com o intuito de modelar matematicamente a economia, os teóricos neoclássicos estabeleceram uma condição hipotética denominada concorrência perfeita, onde uma série de pressupostos são feitos para viabilizar esse modelo matemático, entre os quais estão o atomismo de mercado, onde uma empresa nunca controla uma parcela do mercado grande o suficiente para definir os preços de seu setor. Essa característica é vista intuitivamente como benéfica para o mercado. Mas será que isso é verdade?

Vimos anteriormente que na prática os preços dos bens industrializados são definidos via mark-up e não pelo mercado (o que fere outro pressuposto da concorrência perfeita, a existência de muitas empresas produzindo o mesmo bem sem diferenças tecnológicas que permitam diferenciação de bens ou de processos produtivos, que gerariam preços discrepantes). O preço final depende da capacidade da empresa de reduzir seu custo unitário de produção, e empresas grandes são mais eficientes nisso. Muitas vezes essas empresas nem precisam praticar dumping para quebrar seus concorrentes, porque conseguem um preço final (com mark-up) inferior aos custos diretos das empresas menores. Isso acontece muito com os supermercados.

Grandes empresas também podem oferecer estruturas impressionantes de suporte técnico que não estão ao alcance de empresas menores. Isso naturalmente confere vantagens aos grandes produtores no mercado. Mais recursos também podem ser destinados a P&D (pesquisa e desenvolvimento), o que pode gerar inovações tecnológicas e uma gama maior de produtos, possibilitando a um produtor atender vários nichos de mercado.

No entanto, a concorrência continua tendo claras vantagens. Uma empresa concorrente pode criar um produto parecido com o seu concorrente e aprimorá-lo de uma forma que este não conseguiu, ou criar um produto com uma característica totalmente nova que não existiria sem esse concorrente adicional.

Assim, podemos concluir que a concorrência é sim benéfica na maior parte do tempo, mas não da forma que pensamos. Mais concorrência nem sempre significa preços menores ou bens e serviços melhores.

Discutindo algumas “verdades” sobre economia

Existem uma série de “verdades” que são vomitadas repetidas pela imprensa, por comentaristas, leigos e até mesmo por economistas, recebem aval e via de regra não são questionadas na maioria dos meios de comunicação. Mas quanto disso se sustenta com uma análise mais profunda?

Como diz um professor meu, tenho a impressão que as pessoas sabem economia e acabam na verdade “desaprendendo” com tudo isso. É tanta merda que falam por aí…

Antes de mais nada, preciso dizer que muito disso vem da dificuldade de se raciocinar de forma agregada. No meu breve contato com a macroeconomia tive uma certa dificuldade para entender certos conceitos, e isso vem do fato que visualizamos muito bem situações localizadas (e.g. as finanças de um indivíduo ou uma empresa), mas pensar em todo um agregado econômico não é uma tarefa fácil. E como estamos falando de macroeconomia básica, obviamente essa explicação se baseia quase integralmente nas obras de Keynes e Kalecki.

Sendo assim, decidi fazer um texto bem simples para debater alguns desses conceitos e mostrar uma outra visão sobre eles.

1 – Salários e lucros são antagônicos

Em uma escala micro, realmente são. Se eu aumentar os salários da minha empresa sem alterar o custo de produção e o preço da mercadoria, realmente terei uma parcela maior das receitas destinada aos salários e uma redução nos lucros. Mas e um aumento generalizado dos salários?

Teremos um fenômeno interessante no curto prazo: a alteração na massa total de lucros da economia é zero. Sim, você leu certo: nada muda no lucro total da economia. O que acontece é o seguinte: o lucro será deslocado para os produtores de bens de consumo.

Grosso modo, podemos separar praticamente toda a economia em bens de consumo (e.g. alimentos, roupas, carros de passeio, geladeiras) e bens de capital (e.g. fornos siderúrgicos, retroescavadeiras, fogões industriais, câmaras frigoríficas). Podemos fazer o mesmo para serviços: apesar da distinção ser um pouco mais confusa, duvido que uma pessoa física contrataria uma consultoria de RH ou uma companhia de logística.

Evidentemente, todos esses setores pagam salários e seus assalariados compram bens de consumo (por simplicidade, vamos assumir que os serviços para usuário final estão inclusos). Podemos assumir também com uma margem considerável de confiança que a poupança dos assalariados é muito pequena, tanto em relação ao seu orçamento quanto em termos absolutos frente aos empresários. Assim, os trabalhadores da indústria de bens de serviço devolverão seus aumentos quase integralmente a esse setor. No entanto, os trabalhadores da indústria de bens de capital também gastarão seu aumento no mesmo setor. Assim, temos um deslocamento do lucro em direção ao setor de bens de consumo, mas a massa total de lucros da economia permanece inalterada.

Já é possível observar um fenômeno bem interessante: se os salários aumentaram e os lucros permaneceram constantes, isso significa que a renda, logo, o PIB dessa economia já se elevou em um primeiro momento. Dessa forma, não faz sentido dizer que o aumento de salários prejudica os lucros e a capacidade de investimento de uma economia, a menos que eles tornem a contratação proibitiva.

Mas pouco tempo depois podemos perceber uma nova mudança. Os produtores de bens de consumo, atentos aos seus lucros crescentes, decidem investir na expansão da produção devido ao estímulo positivo nas vendas, e esse processo se torna mais fácil com o aumento dos lucros: afinal de contas, é mais fácil investir com capital próprio que com financiamentos. Assim, esses produtores aumentam a receita do setor de bens de capital, que recebe um estímulo positivo para ampliar sua produção. Por fim, o aumento generalizado na renda dos trabalhadores acaba incentivando toda a economia.

crescimento-economicoÉ importante notar que esse mecanismo não é uma panaceia: em primeiro lugar, a luta de classes está atuando a todo momento. Salários maiores dão aos trabalhadores uma participação maior no PIB. Em um primeiro momento isso não é um problema, porque empresário nenhum prefere uma participação maior em uma economia menor, que vai significar menos dinheiro no fim das contas. Mas isso pode acabar dando força aos sindicatos, unindo a classe trabalhadora, um movimento totalmente indesejável. Assim, mesmo com todos esses benefícios há uma relutância em aumentar os salários.

Esse caminho inevitavelmente esbarra em limitações ambientais. Para se manter em curso, é necessário haver crescimento constante da economia, caso contrário o setor de bens de capital vai à falência e o ciclo quebra. E isso implica em uma pressão crescente sobre os recursos naturais, que estão longe de ser infinitos. Mesmo se tivéssemos 100% de reciclagem, existe um limite de matéria-prima existente no planeta.

Também temos que notar que as necessidades das pessoas não são infinitas. A partir de um certo ponto os trabalhadores começarão a poupar quantidades cada vez maiores (e isso não é bom, ao contrário do que dizem por aí: explicarei adiante), o que fará o ciclo girar um pouco mais devagar e o processo começa a frear sozinho. É aí que entra o governo no modelo keynesiano, para gerar demanda adicional em momentos onde esse sistema não funciona sozinho. Também por isso defende-se a existência de serviços públicos: é necessário haver esse emprego dos fatores de produção independentemente da condição financeira da população.

2 – Produção gera renda, que é gasta comprando a produção. Logo, não há crise.

Esse princípio é conhecido na teoria econômica como Lei de Say, e é um dos pressupostos mais importantes da economia ortodoxa. Tal princípio implica que o dinheiro parado possui utilidade nenhuma e que ele sempre será gasto. Isso simplesmente não é verdade, e a Lei de Say é imprecisa (ou mesmo errada) em vários níveis.

Em primeiro lugar, a produção não gera renda. Pode gerar renda instantânea para os trabalhadores empregados na mesma, mas em termos agregados a geração de renda é zero, pois a mesma significa prejuízo por parte dos empresários. A renda só é gerada quando ocorre a venda dessa produção. Sem venda, sem renda. Para tal, cito Marx:

M — D. Primeira metamorfose da mercadoria ou venda. O salto do valor da mercadoria do corpo da mercadoria para o corpo do ouro é, como o designo noutro local, o salto mortal da mercadoria. Se ele falha, não é a mercadoria que estoira, mas é-o certamente o possuidor da mercadoria.

– O Capital, livro 1, capítulo 3, seção 2

Em seguida, não se gasta renda. Renda é um fluxo, uma entrada de dinheiro. O que se gasta é poder de compra, o estoque de valor que um agente econômico tem em seu poder. E esse gasto não necessariamente é integral: pode-se estocar dinheiro pelos motivos mais diversos. Alguns planejam gastar esse dinheiro no futuro, que pode ser muito distante ou mesmo nunca chegar e o dinheiro ficar parado até a morte dessa pessoa; outros gastam com coisas que não são a produção, como terrenos, ouro, moeda estrangeira e ativos financeiros (lembrando que, a menos que o ativo financeiro seja comprado no momento de abertura, ele é simplesmente revendido e nenhum centavo sequer é dirigido diretamente para produção ou consumo); e outros simplesmente decidem entesourá-lo porque acreditam, digamos, que o dinheiro sofrerá valorização no futuro e aquela quantia em dinheiro vivo será útil, ou não confiam em bancos.

Assim podemos ver que a Lei de Say está “meio errada” em absolutamente todos os pontos. E se é assim, o princípio como um todo está errado.

3 – Precisamos de poupança para ter crescimento econômico

Esse é o ponto que dá mais nó na cabeça de todo mundo, e curiosamente o que mais parece absurdo de todos. Já mostramos anteriormente que não realizar um consumo não significa disponibilizar o dinheiro para realizar investimentos devido a uma série de “furos” no sistema. Mas precisamos definir o que é investimento. Em termos econômicos, investimento é um conceito bastante específico: significa a compra de máquinas, equipamentos e instalações para a produção de bens e serviços (i.e. formação de capital fixo). Ou seja, comprar ações e terrenos não são investimentos, e sim aplicações.

poupanca-porcos

O investimento precisa de poupança para acontecer? NÃO! Ele pode acontecer por meio de capital próprio, por que não? O crédito também não depende exclusivamente de poupança. Raramente um banco tem dinheiro em caixa para pagar todos os depositantes e credores ao mesmo tempo, mas empresta o dinheiro do mesmo jeito. Se feito de forma responsável (o que é uma tarefa titânica, diga-se de passagem), o banco consegue criar dinheiro que não existe emprestando parte do dinheiro que tecnicamente não é dele e recebendo uma quantia maior de volta. Assim, o investimento não necessitou de poupança.

Na verdade, é o investimento que determina a poupança. Quando uma empresa decide investir, o produtor daquele bem de capital é pago. Podemos colocar esse acontecimento como o “início” do ciclo da renda. Ao receber esse dinheiro, ele está integrando completamente a poupança do sistema naquele momento. Quando esse dinheiro for gasto, ele passará a integrar a poupança do próximo nível de agentes econômicos, enquanto a parcela guardada constituirá a poupança do primeiro. Podemos repetir essa série infinitamente. Não existe mágica: é impossível aumentar o nível de investimento através da poupança. No momento que decidimos poupar, estamos tirando aquele dinheiro de circulação e diminuindo os fluxos posteriores. Mas quando ocorre o investimento esse montante aumenta. Vale lembrar que novos investimentos geralmente implicam em novos empregos e mais salários pagos, a menos que se trate de uma inovação tecnológica que diminua a necessidade de mão-de-obra. Sendo assim, é um contrassenso tentar aumentar o investimento parando de gastar.

Essa ideia é tão contraditória que contraria o próprio estímulo para o investimento: o aumento nas vendas. Se os agentes econômicos estão poupando, não estão consumindo, e assim não estão comprando. Logo, os empresários não estão vendendo e não têm motivos para investir e ampliar a produção. Quem em sã consciência produziria MAIS quando está vendendo pouco?

Espero poder ajudar vocês leitores com essas explicações básicas sobre os conceitos apresentados. Quem sabe agora não podemos ter respostas diferentes para aquilo que sempre repetem e fazem parecer tão verdadeiro? Se repetirem isso aí, já sabem:

Por que ter medo de rótulos?

Não sei se vocês lembram, mas há bastante tempo eu fiz um post sobre a necessidade de algumas pessoas pertencerem a grupos. Mas o que eu tenho percebido é a tendência contrária: as pessoas têm apresentado um medo irracional de ser rotuladas.

Vamos primeiro tentar entender como funcionam os rótulos. Eles acontecem de forma bastante natural: você precisa entender com quem está lidando, qual o conjunto de regras e premissas das quais a pessoa parte. Para fazer isso, você precisa de uma amostra da opinião da pessoa, que é apresentada em um debate. A partir disso, acabamos traçando uma tendência, que nos permite prever alguns posicionamentos com uma confiabilidade interessante (principalmente quando obtemos mais experiência em debates).

Precisamos dar nome aos bois, e foram concebidas ao longo da história centenas de correntes ideológicas para isso, e é assim que surgem os rótulos. Eles não são totalmente arbitrários e necessariamente maléficos, como alguns têm assumido recentemente. Têm seu motivo de ser: ideologias são baseadas em sequências lógicas, as conclusões são extraídas em série umas das outras de acordo com um conjunto de partida de conhecimentos, premissas e regras. Assim, quando uma pessoa começa a se aproximar bastante de uma corrente ideológica, é muito provável que acabe seguindo bastante alinhada com esse raciocínio. Principalmente porque não existimos no vácuo, praticamente todos fomos expostos à maioria das correntes ideológicas existentes e acabamos usando-as como base argumentativa e ponto de partida, mesmo sem saber.

Os rótulos têm seu lado ruim? SIM!!! Às vezes extrapolamos esse mecanismo de traçar tendências e passamos a colocar pessoas à força em rótulos, exigir lealdade a uma causa de alguém que nunca a prometeu em primeiro lugar, assumir posicionamentos que não foram revelados e se mostram falsos (construindo sem querer um espantalho da pessoa). Também podem levar pessoas a se fecharem em seus rótulos, se auto-sugestionarem a aceitar um pacote de ideologia por completo, rejeitarem influências externas e fazerem vista grossa para os próprios erros, disparando um fanatismo ideológico. Mas rótulos são intrinsecamente ruins? Não. Assim como ideologias não são ruins por si só.

Por que ter medo de rótulos?

Por que ter medo de rótulos?

No geral, rótulos não passam de tentativas de identificar o interlocutor, “reconhecer o terreno” da discussão, conhecer as premissas e os posicionamentos de todos .

E o que está ficando mais ridículo em todas essas discussões, nesse medo irracional de rótulos, é que não podemos mais apontar essas tendências. Parece que somos proibidos de rotular, como se isso fosse uma ofensa gravíssima!

Pense no seguinte cenário: uma pessoa apresenta consistentemente toda a lógica argumentativa associada a um certo rótulo, a ponto de ter até os mesmos argumentos que essas pessoas. E vamos mais a fundo: esse rótulo nem representa uma ideologia per se, e sim um comportamento presente no senso comum (e bastante indesejável ultimamente, diga-se de passagem). Como a pessoa quer o direito de, frente a tudo isso, ainda sim não ser rotulada?

Suponhamos que se trate de alguém que fez vários comentários racistas. A pessoa começou falando contra as cotas, defendendo “meritocracia”, dizendo que cotas são medidas racistas. Depois seguiu para dizer que não há necessidade de políticas públicas contra o racismo, que tudo isso é discriminação contra o branco, que “orgulho negro” e “orgulho branco” são a mesma coisa. A seguir, colocou que nunca viu negros ocupando lugares de relevância e atribuiu isso ao próprio negro, e não ao seu contexto. E para fechar com chave de cocô, se justificou dizendo que “não é racista e até tem amigos negros”. Mas se incomoda se eu disser que é racista, diz que eu acuso todas as pessoas que discordam de mim e que estou tentando padronizar o pensamento. Faz algum sentido?

Assim, devemos tomar cuidado tanto em discriminar quem participa de grupo nenhum quanto em detestar todos os rótulos. Até porque não tem jeito: você vai ganhar o rótulo de “do contra”, vai ser rotulado como “a pessoa que odeia rótulos”. E aí, como fica?

Se preferir, tem esse rótulo aqui. E milhares de outros também!

Se preferir, tem esse rótulo aqui. E milhares de outros também!

Você sabe o que é capital cultural?

Desde que escrevi meus posts sobre educação continuei me envolvendo em discussões sobre cotas, e me mostraram um ponto bastante importante em toda a discussão educacional que eu desconhecia: o capital cultural. O vídeo a seguir explica muito bem, de forma bastante didática e com exemplos, o que é este conceito.

Somente agora, um bom tempo depois de tomar conhecimento do capital cultural, percebi como essa discussão está intimamente ligada à questão das cotas e inclusive serve como contra-argumento ao lugar comum “as cotas dizem que o negro é incapaz de fazer a prova”.

Primeiramente, temos que lembrar que a lei atual do sistema de cotas tem um caráter acima de tudo social ao colocar baixa renda e ter frequentado o ensino público como requisitos para ingressar no programa; e é bastante óbvio que rendas mais elevadas permitem um acesso melhor à cultura dominante, ao que se considera “cultura boa” na sociedade e, por extensão, na escola. Mas também podemos perceber que o fator racial cria um abismo ainda maior, porque negros em geral estão submetido à pobreza mais extrema e aos espaços geográficos menos favoráveis ao acesso desse tipo de cultura. Mesmo em eventos culturais populares (e.g. semana de divulgação do teatro, dias gratuitos ou com desconto em museus) e entre as pessoas de baixa renda os negros e pardos continuam sendo minoria.

Assim, como explicado no vídeo, é cada vez mais difícil acompanhar a educação em um contexto desses. Aquilo que é passado na sala de aula parece de outro mundo, enquanto a cultura que o aluno conhece e que faz parte de sua vida é ignorada e desprezada no plano de ensino. E muitas vezes o próprio professor agrava esse quadro com seu despreparo, trazendo seus preconceitos para a sala de aula, se deparando com uma situação que ele desconhece, perpetuando uma mecânica de dominação cultural da qual ele não tem consciência. Desta forma o professor muitas vezes perde a paciência, desanima ou mesmo considera o aluno incapaz, já que não entende por que é tão difícil para ele.

O sistema de cotas, além de medida paliativa para reduzir o abismo social e introduzir pessoas de contextos diferentes no meio acadêmico e em profissões qualificadas, pode trazer a tona o meio onde os mesmos cresceram, colocá-lo em evidência e tornar a discussão acadêmica mais próxima da realidade popular. Podemos ter no futuro, por exemplo, artistas graduados levando a arte popular para os meios elitizados ou pedagogos que passaram por essas dificuldades e decidem propor modelos novos para superar esse problema da educação no futuro.

Anarcocapitalismo é pior que crackonha, parte 2: Direito a saúde é escravidão

Talvez vocês tenham visto um certo vídeo que está rodando por aí. Este não é do Instituto Mises Brasil, e sim da Libertarianismo Plus, outra página anarcocapitalista, que tem bastante material no YouTube. O vídeo problemático agora é esse aqui:

Fiquei impressionado em como as noções de direitos conseguem ser tão dogmáticas e restritas. Como esse discurso consegue ser tão desonesto com a noção de direitos e de trabalho.

Fazendo uma análise completa como fiz antes, vou começar pela própria descrição que a Libertarianismo Plus colocou:

Muitos Americanos vêem, equivocadamente, a Saúde como um direito. Saúde não é um direito porque requer que algo seja tirado de uma outra pessoa.

Usando uma ótica bastante simplista e nos atendo à máxima “minha liberdade termina onde a sua começa”, podemos dizer que TODO direito retira algo de uma outra pessoa. O direito à vida retira o direito de outra pessoa tirar vidas. A instituição da propriedade privada retira o direito que todos teoricamente teriam à totalidade das terras e dos recursos existentes. O direito da busca da felicidade retira o direito de impedir a busca da felicidade alheia. Logo na descrição o vídeo já trás uma definição BEM esquisita de direito…

Agora, o vídeo propriamente dito:

A questão nas entrelinhas é que muitos americanos vêem saúde como um direito humano. E não é!

(…) as pessoas não têm um direito à saúde assim como não temos direito à educação, alimento, abrigo e roupas.

Não é? Acho que eu vi algo um pouco diferente em um documento chamado DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS…

Artigo XXV

§ 1º Todo homem tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e sua família saúde e bem-estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em casos de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios subsistência e circunstâncias fora de seu controle.

Mas provavelmente eles responderiam dizendo que a declaração foi escrita pela ONU, que é um órgão estatista coercitivo e que o documento deve ser jogado fora. Então podemos responder de outra forma: um direito inalienável de todo indivíduo é o direito à vida. Certos bens e serviços são necessários para a vida, logo o direito à vida implica em direito a saúde e alimentação, entre outros. Negar isso é ter uma visão muito restrita e cínica do que significa direito à vida. É prender-se a uma visão de 250 anos atrás que resume o direito à vida ao direito de não ser morto por outra pessoa.

Um direito não consiste em algo que as pessoas querem muito.

Concordo. Um direito consiste em algo que as pessoas decidem ser necessário para um mínimo de decência possível. E não é “querer muito” que está em questão quando se fala de saúde pública, e sim a noção de que esse serviço é essencial para que todos possam viver com um mínimo de dignidade. E mais, é uma adequação, uma extensão de um direito já existente (e defendido pela autora do vídeo) que foi percebido como insuficiente da forma que foi inicialmente proposto.

Aliás, estou percebendo enquanto escrevo que é bem difícil definir genericamente o que é um direito…

[O direito à vida, liberdade e busca pela felicidade] não significa que as pessoas devam ser forçadas a melhorar nossas vidas ou nos fazer feliz.

Melhorar? Não estamos falando em melhorar, estamos falando em POSSIBILITAR! E quando EXISTEM recursos para isso, é de fato ético negá-los a uma pessoa e deixá-la morrer só porque esses recursos não pertencem a ela? Na minha opinião, quando a sociedade como um todo possui esses recursos e nega a uma pessoa, está participando de sua morte de forma praticamente indistinguível de um assassinato (digo isso para sociedades, julgar indivíduos desta forma já me parece algo mais delicado).

Dizer que temos direito à saúde é dizer que médicos têm obrigação de nos servir, querendo ou não. Nós não temos direito ao tempo ou aos serviços de alguém. A escravidão já foi abolida há mais de um século atrás. Por que é que muita gente pensa que pode forçar os outros a trabalhar para eles?

Pronto, agora chegou o ponto mais nojento e desonesto do vídeo inteiro. Estou impressionado: alguém conseguiu comparar um serviço de um profissional REMUNERADO, que ESCOLHEU desempenhar sua profissão e ocupar o cargo que ocupa, com TRABALHO ESCRAVO!!! Sério, tá difícil falar o quanto de groselha tem nesse trecho! Acho que nem tem como analisar esse trecho como eu fiz com o resto.

Mas vou dizer, estou até feliz com este vídeo. Ele mostrou que grande maioria das pessoas que assistiram REJEITAM esse tipo de idiotice, não têm uma visão tão restrita sobre direito à vida, percebem as falácias que foram cometidas. E o mais importante de tudo, NINGUÉM levou a sério a parte do trabalho escravo. Nem quem defendeu a autora.

O proletariado dos anos 10?

Essa é uma reflexão que eu tive há algum tempo e pensei em fazer um post, mas acabei adiando bastante. Cheguei a conclusão de que a nossa cultura vem adotando uma nova organização do trabalho, principalmente o intelectual, e o capital vem abraçando essa ideia: é o trabalhador workaholic.

Tenho percebido que o workaholic vem sendo visto como o modelo de profissional dedicado que leva seu trabalho a sério, e quem não faz isso é visto como displicente e sem profissionalismo. Para ser visto como um profissional sério, você precisa estar sempre pronto para aceitar horas extras e levar trabalho para casa de bom grado, como se não tivesse mais ocupação alguma.

workaholic

Esse conceito parece bastante válido, intuitivo e até um tanto óbvio, principalmente quando se trabalha com produção ou desenvolvimento: um profissional que aceita produzir mais e dispõe seu tempo para isso é mais dedicado e comprometido com seu trabalho do que aquele que não está disposto a sacrificar seu tempo livre para isso.

Obviamente isso se encaixa perfeitamente com os interesses do capital, que aos poucos vai transformando o trabalho extra em “nada mais que a sua obrigação”, integralizando-o na jornada de trabalho básica. É um trabalho muito difícil de ser quantificado, e por isso difícil de ser passível de cobrança de horas extras e pouco observado pela lei, pelo pouco que sei (e corrijam-me se eu estiver errado!). Mas mesmo com uma cobrança rígida de horas extras a apologia ao workaholic se mostra bastante vantajosa: o trabalhador aceita de bom grado, considera-se satisfeito e cumprindo sua função na vida, acredita piamente que aquele trabalho o engrandece como pessoa e dá significado a sua existência. Essa realidade vai se tornando aos poucos a ordem natural das coisas no senso comum.

Para o bem da argumentação, vamos supor que o aumento da produtividade justifica tudo e que essa mudança cultural é positiva e desejável. Isso tem uma consequência que gera resultados no mínimo bizarros: quem não é workaholic não leva seu trabalho a sério ou é incompetente. Ora, o que impede que uma pessoa se dedique completamente ao trabalho 8 horas por dia, 5 dias por semana, mas se recuse a fazer mais que isso? Ou que essa pessoa seja competente e faça em 8 horas o que outros fariam em 12?

E saindo das profissões de produção e desenvolvimento: esse tipo de julgamento começa a infectar a educação. Foi na minha própria faculdade que percebi isso pela primeira vez, na verdade, quando a sala não levava a sério um professor que, apesar de lecionar bem e ser capaz de passar o conteúdo a tempo, não era muito rigoroso com os horários de entrada e saída e fazia aulas mais curtas que o normal. Muitos começaram a achar que não precisava assistir às aulas ou que o professor não reprovaria, e todas essas pessoas estavam erradas ao final do semestre.

E então me pergunto, o quão imbecil pode ser um julgamento desses? Quantas pessoas habilidosas, talentosas e fazendo um trabalho sério não acabam sendo excluídas por um sistema que prefere um tipo de trabalhador? Quais atitudes contraproducentes estão sendo reproduzidas por essa lógica? Por exemplo, aulas mais curtas, menos exaustivas (afinal de contas, trata-se do ambiente universitário, é esperada a leitura dos alunos para o aproveitamento básico do curso) e mais espaçadas não podem se mostrar mais produtivas que a grade regular? Lembro também de um estudo que vi na Superinteressante uma vez e infelizmente não consegui mais achar indicando que pessoas consideradas preguiçosas mas criativas poderiam desempenhar bem cargos de liderança, porque buscariam uma forma de minimizar o trabalho e o tornariam mais eficiente.

Na minha opinião, isso também revela uma característica um tanto triste que ainda não superamos: o trabalho é a vida da pessoa. Parece que para muitos não existe algo além disso, não existe desenvolvimento pessoal que não seja, direta ou indiretamente, para trabalhar melhor, não existe espaço para se dedicar ao resto. Qual será o futuro do trabalho?