Arquivo da tag: mimimi

Bolsa-Cremogema para Gerald Thomas

Tadinho de você, Gerald Thomas. Você mete a mão debaixo do vestido da Nicole Bahls. A imprensa pega super leve com você, até coloca “ataque” entre aspas na manchete. NINGUÉM no evento fez alguma cosia pra ajudar a moça, que realmente não gostou da parada. E você ainda diz que foi atacado e sofreu sensacionalismo. Não dá pra aguentar esse mundo moderno, tá muito difícil ser quem você quer ser né? Sei bem como é. Tudo que você faz vem alguém reclamar, né?

Sério, dá uma olhada nessa cara. Ela tá literalmente rindo pra não chorar. É tão difícil perceber?

Sério, dá uma olhada nessa cara. Ela tá literalmente rindo pra não chorar. É tão difícil perceber?

Olha, você merece o Troféu Umbigo de Ouro e a Bolsa-Cremogema. Meus parabéns!

O programa se chama “PANICO” ! E eles vem com tudo! Mas são gente finíssima. Depois das brincadeiras, cameras e luzes apagadas, nós nos damos as mãos (tanto em SP quanto aqui no Rio) e rimos de tudo, nos damos abraços e falamos “valeu, foi ótimo!”.

Legal, né? Tirando a parte que ela NÃO gostou, disse que ficou triste com isso. Vai dizer o que agora, que ela foi manipulada pela mídia pra reclamar? Que hackearam o Twitter dela?

Minha amiga fez um bom post em repúdio, mas acho que tenho algo a complementar. A cultura do estupro é TÃO escrota que qualquer tipo de reação contra isso, mesmo que seja feita de forma leve, já corre o risco de ser tratada como exagero. Quero saber o que o Zé Toddynho bolinador de saias aceitaria como notícia cabível e não-sensacionalista. “Brincadeira descontraída acaba em leve desentendimento”? Sério, acorda pra vida, Gerald Thomas. Cê tá bêbado, vai pra casa!

Eu, Gerald Thomas, faço a olho nu, na frente dos fotógrafos, das câmeras, das luzes, o que esse bando de carecas e pseudo moralistas gostaria de estar fazendo atrás de portas fechadas, com as luzes apagadas! EYES WIDE SHUT

Se eu abaixar as calças e coçar o cu no meio da rua posso me orgulhar por ser corajoso e fazer em público o que todo mundo queria fazer em particular também? Legal, sempre quis ser fodão!

E acho que nem preciso falar muito disso aqui:

Vem uma menina, de (praticamente) bunda de fora, salto alto de “fuck me”, seios a mostra, dentro de um contexto chamado PANICO (…)

Já existe UMA PORRADA de post EXCELENTES sobre cultura do estupro. Inclusive esse mesmo josnei admitiu (sort of) que não deve usar mulher como objeto. Só da boca pra fora, certeza.

coisas-que-causam-estuproMuito já foi dito sobre como roupa não é convite, sobre como a nossa sociedade culpa a mulher de todas as formas, inocenta o homem até o último suspiro, joga um peso IMENSO nas costas de quem mais precisa de apoio (e pior, muitas vezes isso vem de quem mais deveria apoiar, como a família, os amigos e o parceiro). Acho que não cabe discutir isso mais a fundo aqui, porque esse era um post pra xingar o cara que muito provavelmente ganhou com folga o título de imbecil do mês. E essa é a minha contribuição de repúdio quase no fim do dia.

Desmistificando a friend zone

Ultimamente ressuscitaram um assunto do qual eu não ouvia falar há um bom tempo: a famigerada friend zone.

True story bro

Quando este assunto estava mais em alta, nos idos de 2010-2011, eu realmente me preocupava com essa de friend zone, achava que existia mesmo, que se eu caísse nela significava que eu errei, e até que TALVEZ desse para consertar se eu “chegasse chegando”, com “pegada”. Hoje estou mais maduro e descobri o verdadeiro sentido.

 

É simples, gente. Não é agradável, mas é simples.

Se a guria não quis ficar contigo, pequeno gazebo, é porque ELA NÃO ESTÁ A FIM. Só isso. Você não fez nada de errado, não foi porque você conversou demais com ela e acabou ficando amigo demais. Não entendeu? É simples, só inverter. Pense em uma garota que você ache gente boa, mas você não tá a fim de ser mais que amigo dela. Ela dá em cima de você e você corta falando que quer ser só amigo. Entendeu? É a mesma coisa.

Eu comecei a reparar em um equívoco comum: as pessoas acham que se você “chegar chegando” você consegue mais fácil, e o problema é ter ficado amigo. Na verdade, é o seguinte: se você ficou com ela na balada ou algum outro ambiente mais casual, tem duas coisas: ela não te conhece direito e [geralmente] está interessada mais em uma ficada que qualquer coisa. Agora, quando você conhece em um ambiente menos “propício”, tem mais tempo da pessoa te conhecer e perceber se ela quer você mesmo ou não. Vamos supor que rolasse com ela na balada. Dificilmente se tornaria um relacionamento sério, ou se virasse, não iria muito “para frente”. (Ou não, você pode sempre se impressionar com outra pessoa…)

E pense bem, essa história de ficar amigo vai para o outro lado: vai que você seja o tipo de pessoa com quem ela nunca ficaria na balada, mas depois de te conhecer melhor acaba se apaixonando…